estudo sobre salario minimo real

estudo sobre salario minimo real

?Projeto Integrado – Ciências Econômicas
Professor: Roberson (Economia Politica)
4º semestre, turma B
Marcelus Gouvêa RA: 6256225
Marcos de Aquino Caires Jr. RA: 6070632
TABELA E GRAFICO 1.0

TABELA E GRAFICO 1.1

TABELA E GRAFICO 1.2

Fontes:
www.ibge.gov.br
www.ipea.gov.br

Projeto Integrado – Ciências Econômicas
13. Relação entre salário mínimo real e emprego
Professor:Roberson (Economia Politica)
4º semestre, turma B
Marcelus Gouvêa RA: 6256225
Marcos de Aquino Caires Jr. RA: 6070632
Analise do cenário econômico do Brasil, dando ênfase nos índices de desemprego e salario mínimo.
SALARIO MINIMO REAL – SERIE 01 (1991 À 2000)
Segundo pesquisa do Dieese/Seade o salario mínimo real teve queda de 35% passando a representar apenas 26% do que era em sua instituição noano de 1940, isso apenas nos quase três anos do Plano Collor, o salário mínimo passou a ser reajustados de acordo com a estimativa da inflação e analisado a cada quadrimestre e corrigido com base nos preços da cesta básica de consumo.
No curto período do governo Itamar o Congresso Nacional em meados de 1993 aprovou uma nova politica salarial que definia a reposição mensal do salario com base nainflação integral, além do aumento real de 3% do salario mínimo.
Podemos analisar essa variação na tabela e gráfico 1.1 em que se monstra uma tendência de queda entre até o na de 1992 e com variação no ano seguinte.
No inicio do plano URV em março de 1994 foi definido que os salários seriam convertidos pelo salario real médio do quadrimestre anterior e não mais pela taxa da inflação.
Nestemomento o principal objetivo do governo era o achatamento dos salários, uma vez que o custo da cesta básica é o principal item que compõe o custo de vida do trabalhador, então sua evolução é decisiva para estabelecer o poder de compra do trabalhador. Por fim a criação do plano URV servira para realinhar preços e salários e garantir a recuperação da credibilidade da moeda, mas os trabalhadores nãoatingiram a posição de equilíbrio, pois os salários foram convertidos pela pior média da história, a remarcação de preços impôs novas perdas salariais durante o período do URV.
Nos anos que seguem o plano Real a metodologia continua porem com queda substancial no ano 1995 em comparação a 1993, as tentativas de alterações nos fatores previdenciários à desvalorização da moeda e o crescente aumento dodesemprego impuseram poucas alterações positivas aos trabalhadores, a perda de confiança dos investidores, os juros extremamente elevados e inflação fora dos limites forçaram o governo a mudar a estratégia da ancora cambial para um sistema de metas de inflação que impulsionaria mais a frente uma reanimação econômica entre os anos de 1999 e 2000 levando o salários reais a retomarem crescimento poremcom seu poder de compra ainda em conflito com o mercado, segundo dados do IBGE o rendimento médio obteve queda de 6% entre 1998 e 2000.
O SMR até o ano 2000 não havia alcançado seu índice em comparação a 1993, podemos ver no gráfico 1.o que o SMR termina essa década sem ultrapassar o índice 100 de 1991, ou seja, a politica adotada neste período devastou e muito o rendimento do trabalhador, ouseja, uma década de forte queda com recuperação demorada.
SALARIO MINIMO REAL – SERIE 02 (2001 À 2010)
Com a estagnação do mercado externo, em detalhe os acordos com o FMI, aumento da taxa de juros e a explosão do Real perante o dólar batendo a casa dos R$ 4,00 por U$ 1,00, a única solução para a continuidade do crescimento econômico estava em dinamizar o mercado interno, mas a politica adotada, aocortar créditos, salários e investimentos públicos ainda empurravam o mercado interno para baixo, inviabilizando tal crescimento.
Segundo a Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, o rendimento real do trabalho caiu 15% entre 1998 e 2002.
Sem mostrar reação o plano do governo não reagia e o PIB alcançava taxas alarmantes com media de apenas 2,3% entre 1995 e 2002, isso para uma população crescente…